Polícia recolhe mais de 20 armas de fogo em mãos alheias

A Polícia moçambicana recolheu pelo menos 22 armas de fogo, na sua maioria do tipo pistolas, das mãos de cidadãos que supostamente não tinham licenças para a sua posse e protagonizam desmandos em algumas comunidades. Em conexão com este caso, vários indivíduos encontram-se privados de liberdade em diferentes celas e/ou prisões do país.

Porém, a apreensão dos referidos instrumentos bélicos faz parte do trabalho rotineiro das autoridades da Lei e Ordem, e não no contexto dos apelos que têm sido feitos no sentido de os cidadãos que detêm armas de fogo ilegalmente se desapossem das mesmas voluntariamente.

Na província de Gaza, por exemplo, quatro moçambicanos estão privados de liberdade por terem sido supostamente surpreendidos na posse de uma pistola, calibre 12, contendo duas munições. Os indiciados, com idades que variam de 32 a 59 anos de idade, foram interceptados na localidade de Mbalava, no distrito de Guijá, de acordo com o Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM).

No mesmo ponto do país, um cidadão de 18 anos de idade, que responde pelo nome de C. Sumbane, foi recolhido aos calabouços por roubo de sete cabeças de gado bovino, as quais foram recuperadas e entregues ao dono.

A Polícia avançou que a detenção do visado aconteceu no posto administrativo de Mazivila, no distrito de Bilene.

Já no distrito de Zavala, em Inhambane, um outro compatriota de nome A. Doho, de 25 anos de idade, foi detido também por posse ilícita de uma pistola.

Em Tete, outros quatro indivíduos foram caíram nas mãos da Polícia por roubo de combustíveis da mineradora Vale Moçambique. Não foram avançados pormenores sobre este caso, que parece ser constante naquela empresa reiteradamente acusada de violar os direitos das comunidades, na zona onde opera.

No Niassa, um outro moçambicano, de 39 anos de idade, identificado pelo nome de A. Amanze, está enclausurado em Cuamba por posse ilegal de duas caixas de explosivos usadas nas pedreiras.

Enquanto isso, na cidade de Maputo, um cidadão de nome E. Mahadjane, de 22 anos de idade, está limitado a quatro paredes dos calabouços, acusado de rapto de um recém-nascido, o qual foi resgatado e submetidos a tratamento médico no Centro de Saúde da Polana Caniço “A”.

Na mesma operação, que teve lugar entre 01 e 07 de Outubro corrente, a Polícia recuperou 60 viaturas, 270 litros de gasóleo, 74 cabeças de gado bovino, 299.312 meticais, entre outros bens.
Share on Google Plus

About Moz no Ar Oficial