PRM diz que Omar Faruk Ayoob baleado contraiu ferimentos graves e continua internado - MoznoAr

===DISTRIBUINDO NOVIDADES NO AR===


Hot

Post Top Ad

Your Ad Spot

terça-feira, 18 de outubro de 2016

PRM diz que Omar Faruk Ayoob baleado contraiu ferimentos graves e continua internado

O empresário moçambicano Omar Faruk Ayoob, proprietário do grupo Ayoob Comercial, baleado na semana passada na capital moçambicana, encontra-se ainda em estado grave e internado numa das unidades sanitárias em Maputo.

Segundo o Porta-voz da Polícia da cidade de Maputo, Orlando Mudumane, a vítima foi atingida no abdómen e nos membros inferiores, num atentando que se registou defronte à embaixada dos Estados Unidos da América, na manha da sexta-feira passada.

A Polícia está a trabalhar com vista a esclarecer este caso, identificando os seus autores, disse Mudumane, durante o habitual briefing da Polícia a nível da cidade de Maputo.

Mudumane explicou que após o ataque, os meliantes puseram-se em fuga, criando pânico no local. Momentos depois, Ayoob foi transportado às pressas para uma clínica privada nas proximidades, onde está em tratamento médico intensivo.

Esta não é a primeira vez que a família Ayoob é vítima de acções de meliantes na capital moçambicana. Em Outubro de 2014 a viúva de Khalib Ayoob, Reyma Ayoob foi sequestrada e passou 22 dias em cativeiro antes de ser libertada, mediante o pagamento de um montante não revelado.

Porém, antes ainda, no mesmo ano, um de seus filhos, Bilal Ayoob, foi sequestrado, num ciclo de raptos que tinha iniciado em Agosto de 2012, quando uma sobrinha de 17 anos, Hina Farouk Ayoob, foi sequestrada.

A riqueza desta família foi exposta publicamente quando Khalib Ayoob foi preso no aeroporto Matsapham, na Suazilândia em Dezembro de 2010 na posse de cerca de 2,7 milhões de dólares norte-americanos exportados ilegalmente de Moçambique para Dubai.

Na altura, o dinheiro foi confiscado pelas autoridades da Suazilândia.


A família Ayoob possui diversas empresas. Uma das empresas, Ayoob Niza Lda, alcançou notoriedade em 2010, quando a Autoridade Tributária de Moçambique ordenou a venda pública de seus produtos para saldar uma dívida de 276 milhões de meticais para a empresa de telefonia móvel Mcel.

Post Top Ad

Your Ad Spot