Guebuza chefia delegação moçambicana às exéquias de Ketumile Masire - MoznoAr

===DISTRIBUINDO NOVIDADES NO AR===


Hot

Post Top Ad

Your Ad Spot

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Guebuza chefia delegação moçambicana às exéquias de Ketumile Masire


O Presidente da República, Filipe Nyusi, indicou o antigo estadista moçambicano, Armando Guebuza, para chefiar a delegação moçambicana que vai representar o país nas exéquias do antigo Chefe de Estado tswana, Ketumile Masire.

As exéquias terão lugar de 28 a 29 de Junho corrente.

“A delegação moçambicana às cerimónias fúnebres é chefiada por Armando Emílio Guebuza, antigo Presidente da República, e integra o Ministro da Cultura e Turismo, Silva Dunduro”, refere um comunicado de imprensa enviado ontem à Folha de Maputo.

Segundo o comunicado, a delegação é portadora de uma mensagem do Presidente da República endereçada ao seu homólogo tswana, Ian Khama.

Masire morreu na clínica Bokamoso (nordeste de Gaborone), às 22h10 de 22 de Junho, aos 91 anos.

O malogrado foi o segundo Chefe de Estado deste Estado da África Austral, após a morte do 'pai' da independência do país, Seretse Khama, pai do actual Presidente do Botswana Ian Khama.

Masire fora hospitalizado na semana passada para uma intervenção cirúrgica, desconhecendo-se mais pormenores, após o que ficou internado nos cuidados intensivos.

O malogrado foi eleito para a presidência do Botswana em 1980, após a morte do 'pai' da independência do país, Seretse Khama, e foi sucessivamente reeleito, até que, em 1998, apresentou a demissão.

Durante a sua vida política foi mediador em vários conflitos no continente africano, como Moçambique.

Masire desempenhou um papel de pacificador na região, ao envolver-se nas negociações de paz em Moçambique entre o governo e a Renamo, o maior partido da oposição.

Após abandonar a presidência do Botswana, envolveu-se também na resolução de várias crises políticas, como no Quénia e Lesotho.

Quett Masire presidiu ainda ao painel de 'personalidades eminentes' encarregado de investigar as circunstâncias que rodearam o genocídio no Ruanda, em 1994.

Este Estado da África Austral, uma das democracias mais estáveis do continente africano, é governada desde a independência, em 1966, pelo Partido Democrático do Botswana (BDP, na sigla inglesa), força política que foi liderada por Masire.


[CC]

Post Top Ad

Your Ad Spot